PESCADORES DE CRATEÚS E NOVO ORIENTE SEM RECEBER O SEGURO À DOIS ANOS ESTÃO EM SITUAÇÃO DIFÍCIL

Na manhã dessa quarta-feira 13/02/2019, aconteceu uma reunião na Caritas Diocesana de Crateús. Foi um encontro de vários órgãos é de pescadores de 12 cidades de toda região.

Ao entrevistar os pescadores, eles falaram das dificuldades na profissão no momento atual. Anos de poucas chuvas, com isso à diminuição de açudes com peixes, os maiores açudes que são públicos, más também totalmente demarcado com cercas, pra piorar à situação, estão à dois anos sem receberem o seguro.

O seguro era pago na época da piracema, exatamente no início de cada ano na nossa região, época da reprodução da espécie "peixes". Os pescadores recebiam um salário durante esse período em que é proibido por lei a pesca.

Pescadores relataram à grande dificuldade, muitos deles afirmaram que se não pescarem, suas famílias podem até passar fome, por isso preferem o risco de serem presos pescando nessa época, do que pararem e ficarem sem sua fonte de renda "pesca".

Em entrevista com o Adriano Leitão da caritas diocesana, falou da preocupação para com essas pessoas que estão no momento de fragilidade. Crateús e Novo Oriente ficaram fora do seguro por uma mudança das bacias, eles sempre receberam pela bacia do Poty, agora mudou, tem que ser pela bacia do Parnaíba, caritas diocesana está dando apoio jurídico, para tentar fazer com que eles possam retornar receber o seguro durante esse período da piracema, que dura 3 meses, janeiro, fevereiro e março.

Na próxima semana, acontecerá um evento na cidade de Tamboril, vai ser quarta-feira dia 20, no intuito de sensibilizar os órgãos públicos, e ajudar essas pessoas "pescadores" no que for possível.

ANTÔNIO FONTENELE

Postar um comentário

0 Comentários